Skip to content

Artigo Ioannidis (2ª parte): Conflitos de interesse, política, perseguição e censura

Ioannidis aborda igualmente alguns dos fatores que, segundo ele, mais têm contribuído para a deterioração da ciência.

Conflitos de interesse

Ioannidis salienta como entidades com conflitos de interesse passaram de “na sua maioria, esconder as suas agendas” para serem “elevadas ao estatuto de heróis”.

Relativamente à vacinação, afirma que “… durante a pandemia, pedir melhores provas sobre a eficácia e os eventos adversos era muitas vezes considerado amaldiçoado.”

“Esta abordagem desprezível e autoritária “em defesa da ciência” pode, infelizmente, ter aumentado a hesitação da vacina e o movimento anti-vax, desperdiçando uma oportunidade única que foi criada pelo fantástico rápido desenvolvimento das vacinas COVID-19.

Empresas tecnológicas e consultores

Dentro das entidades com eventuais conflitos de interesse estão as empresas digitais e os consultores.

“As grandes empresas tecnológicas, que ganharam triliões de dólares em valor de mercado acumulado da transformação virtual da vida humana durante o bloqueio, desenvolveram poderosas máquinas de censura que distorceram a informação disponível para os utilizadores nas suas plataformas.”

“Os consultores que ganharam milhões de dólares com a consulta corporativa e governamental receberam posições de prestígio, poder e elogios públicos, enquanto cientistas sem conflitos de interesse que trabalhavam pro bono, mas se atreveram a questionar narrativas dominantes foram manchados como sendo conflituosos.”

Autoritarismo justificado pelo “estado de guerra”

O investigador salienta a importância do “… questionamento honesto, contínuo e a exploração de caminhos alternativos” para “uma boa ciência”. Na versão autoritária da saúde pública, essas ações passaram a ser “vistas como traição e deserção”.

“A narrativa dominante tornou-se que “estamos em guerra”. Quando em guerra, todos têm de seguir ordens. Se um pelotão é ordenado a ir para a direita e alguns soldados exploram manobras para a esquerda, são baleados como desertores. O ceticismo científico teve de ser baleado, sem perguntas. As ordens eram claras.”

Os responsáveis

Ioannidis interroga-se sobre “Quem deu estas ordens?” e conclui:

“Fomos todos nós, um conglomerado que não tem nome nem rosto: uma malha e uma confusão de provas semi-cozinhadas; meios de comunicação frenéticos e partidários promovendo o jornalismo de para-quedas e a cobertura de embalar; a proliferação de pseudónimos e epónimos, personalidades das redes sociais que levaram até cientistas sérios a tornarem-se avatares de animais selvagens, cuspindo enormes quantidades de futilidades e disparates; Indústria e empresas tecnológicas mal regulamentadas flexionam o seu cérebro e poder de marketing; e pessoas comuns aflitas pela crise prolongada.”

Perseguição e censura

Ele, que foi um dos cientistas que sofreu mais ataques, pessoais e profissionais, e até censura, das grandes plataformas digitais, aborda ambos os temas.

 Os opositores foram ameaçados, abusados e intimidados por campanhas que cultivam cancelamentos nas redes sociais, por sensacionais histórias nos meios de comunicação e best-sellers escritos por fanáticos.”

“As declarações foram distorcidas, transformadas em homens de palha, e ridicularizadas. As páginas da Wikipédia foram vandalizadas. As reputações foram sistematicamente devastadas e destruídas. Muitos cientistas brilhantes foram abusados e receberam ameaças durante a pandemia, destinadas a torná-los e às suas famílias miseráveis.”

Muitos excelentes cientistas tiveram de se silenciar neste caos. A sua auto-censura tem sido uma grande perda para a investigação científica e para o esforço de saúde pública. Os meus heróis são os muitos cientistas bem-intencionados que foram abusados, manchados e ameaçados durante a pandemia. “

Politização da ciência

Salienta igualmente a “influência desprezível” que a política teve na “ciência pandémica”.

“Qualquer coisa que qualquer cientista político disse ou escreveu pode ser usado como arma para agendas políticas. Amarrar intervenções de saúde pública como máscaras e vacinas a uma fação, política ou não, satisfaz aqueles que se dedicam a essa fação, mas enfurece a fação oposta.”

“A política vestida de saúde pública não só prejudicou a ciência. Também abateu a saúde pública participativa, onde as pessoas são habilitadas, em vez de serem obrigadas e humilhadas.”

“Um cientista não pode nem deve tentar alterar os seus dados e inferências com base na doutrina atual dos partidos políticos ou na leitura du jour do termómetro das redes sociais.”

Rejeição de conspirações e o potencial da ciência

Apesar de tudo, Ionnidis acredita não ter existido “nenhuma conspiração”.

“Simplesmente, em tempos de crise, os poderosos prosperam e os fracos tornam-se mais desfavorecidos. No meio da confusão pandémica, os poderosos e os conflituosos tornaram-se mais poderosos e mais conflituosos, enquanto milhões de pessoas desfavorecidas morreram e milhares de milhões sofreram.”

“Preocupa-me que a ciência e as suas normas tenham partilhado o destino dos desfavorecidos. É uma pena, porque a ciência ainda pode ajudar todos. A ciência continua a ser a melhor coisa que pode acontecer aos humanos, desde que possa ser tolerante e tolerada.”

John Ioannidis, é um dos cientistas mais conceituados a nível mundial. O seu currículo é muito vasto. Entre as suas áreas de intervenção principais estão: a análise da qualidade da evidência científica e a epidemiologia.

No início da pandemia, foi dos primeiros a alertar para a pouca fiabilidade dos dados iniciais, como a suposição de uma letalidade de 3,4% ou da inexistência de assintomáticos.

Alertou igualmente para o risco de se tomarem medidas, com efeitos colaterais devastadores, sem estudos de qualidade sobre a sua eficácia.

Artigo Ioannidis (1ª parte): A deterioração da ciência e os pseudocientistas

Gostou deste artigo? Apoie-nos no Patreon!

Comentários

Sem comentários ainda. Adicione o seu abaixo!


Adicionar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Inscreva-se na nossa newsletter